Aposentadoria: sonho ou pesadelo?

Aposentadoria: sonho ou pesadelo?

Esse sem sombra de dúvidas é o momento mais aguardado por todos brasileiros, o dia da tão “sonhada” aposentadoria. Poder tirar da gaveta projetos preparados para esse glorioso momento, andar de chinelos o dia inteiro, viajar bastante, aproveitar mais os netos e não ter hora para acordar. Pois bem, infelizmente não é essa a realidade dos aposentados em nosso país.

Segundo o Relatório Global do Sistema Previdenciário 2020, da seguradora Allianz, que avaliou a estrutura previdenciária de 70 países, o Brasil figura na desconfortável 43 posição no ranking dos melhores sistemas previdenciários do mundo. Isso por que o benefício recebido pelos aposentados brasileiros corresponde, em média, a 60% da renda de quando estava na ativa, ou seja, 70% dos brasileiros reduzem o padrão de vida na aposentadoria. Não é à toa que 47% dos aposentados voltam a trabalhar, e grande parte dos que não conseguem, dependem dos filhos.

Sem contar que com a nova Reforma da Previdência, o teto a ser pago como renda da aposentadoria em todos os regimes: regime geral, regime próprio e de previdência complementar, é o valor teto do benefício, pago pelo INSS, ou seja, haverá uma redução ainda maior no valor da renda da aposentadoria.

E isso acontece, basicamente por dois motivos, o primeiro deles é que, hoje no país, 90% das pessoas com idade acima de 25 anos não poupam para a aposentadoria, preferem terceirizar para o Estado a responsabilidade pelo seu futuro financeiro, têm-se a percepção de que o Estado vai prover a renda ao envelhecer e que isso será suficiente para a sua subsistência, porém, como vemos, a conta não bate.

Em segundo lugar a falta de educação financeira e de um planejamento financeiro de longo prazo, investindo-se em papéis líquidos, escolhidos para formar um “colchão financeiro” para a aposentadoria, atinge em cheio os brasileiros. É necessário ter a compreensão que o brasil possui um sistema financeiro desigual e que poderá ter, em breve, um batalhão de pessoas idosas em situação de extrema fragilidade econômica e social por não terem nenhum tipo de renda.

Então o que fazer diante desse cenário de incertezas? Bem, o primeiro passo para iniciar o planejamento de sua aposentadoria é se organizar financeiramente e ter uma visão real das suas contas. Listando fontes de renda, despesas frequentes e o que pode ser cortado, otimizando assim seu orçamento, além de criar metas e rotinas para acompanhar suas finanças, fazendo isso fica muito mais fácil iniciar o hábito de poupar.

Após conhecer suas finanças é hora de planejar seus investimentos. Tomar a decisão de escolher um plano de previdência, que pode ser o VGBL ou o PGBL, forma de tributação e rendimentos, tomando o cuidado de escolher bem os investimentos que compõe esses planos. Hoje com a Selic a 2,5% ao ano corre-se o risco de alguns ativos terem a rentabilidade negativa. Há ainda a possibilidade de você montar sua própria carteira de investimentos, realizando uma boa diversificação e obtendo juros mais atrativos e que garantirão seu futuro. Não terceirize seus sonhos, nem torne sua aposentadoria um pesadelo, a responsabilidade é sua. E lembre-se, quanto mais cedo começar melhor, mas nunca é tarde para iniciar.