Quais os principais erros que as pessoas financeiramente equilibradas não cometem

Quais os principais erros que as pessoas financeiramente equilibradas não cometem

Sabe como as pessoas ricas chegaram até lá? Quais seus hábitos de consumo, como lidam com o dinheiro, como possuem uma facilidade tremenda de gerar receita e conquistar seus sonhos e objetivos?

Claro que alguns possuem todas estas características e tantas outras, mas nos meus últimos 5 anos ao lado de dezenas de famílias como o planejador pessoal delas eu aprendi que muitos seguem a mesma cartilha para enriquecer e que os pontos principais desta receita é evitar alguns erros que podem estar lhe impedindo de prosperar.

Aqui vão 6 dos principais erros que ricos não cometem:

1) Não gastam mais do que ganham

Parece óbvio não é, afinal de contas, eles ganham tanto que nunca lhes falta dinheiro. Mas não é bem assim, para essas pessoas isso não é a causa de uma vida financeira equilibrada, mas a conseqüência. E como eles fazem? Simples: eles têm consciência de como gastam seu dinheiro. Para isso muitos – e talvez você não goste disso – anotam seus gastos freqüentemente. Não enxergam este saudável hábito como uma obrigação, mas apenas como uma tarefa rentável. Enxergam o retorno deste esforço, que é justamente ver o patrimônio crescer.

Ao não gastar tudo o que ganham, estas pessoas se tornam investidoras freqüentes e isso tem a ver com o segundo erro que não cometem.

2) Pagam-se primeiro, não investem o dinheiro que sobra, quando sobra

A grande mentira que enfrentamos na vida é dizer sempre que não investimos por que não temos dinheiro. As pessoas financeiramente equilibradas e as ricas tratam os investimentos como algo intencional, possuem planejamento de investimentos 

que indica claramente o quanto devem investir todos os meses para seus sonhos e objetivos de vida. Fazem investimentos no começo do mês e não ao final “se tudo der certo”.

A maioria das pessoas tem a seguinte fórmula para suas finanças pessoais:

Receita – Despesas = Investir o que sobra (se sobrar…). É uma receita de boas intenções. Se der, deu. Se não der… Mês que vem vai dar – assim pensam.

Os ricos, por sua vez, usam a seguinte fórmula:

Receita – Investimentos = Gastar 100% do que sobra. Esta é uma receita de intencionalidade. Ao investirem todos os meses como um hábito saudável e corriqueiro, os ricos vêem seu patrimônio crescer mês após mês.

Mas lembre-se: isso começa evitando o primeiro erro desta lista.

3) Não são imediatistas e, assim, não tomam decisões antes de pensar

Somos seres emotivos, claro, mas também somos dotados de uma capacidade de racionalizar que nos difere das demais espécies. Ricos analisam as decisões que devem tomar no presente a partir de uma foto mais ampla que possuem acerca de seus futuros.

A maioria das pessoas toma decisões financeiras a partir do que eles têm à decidir, sem considerar as conseqüências desta decisão no longo prazo. Ricos não são oportunistas, ou seja, não seguem a última moda ou a recomendação das capas de revistas e especialistas. Tomam decisões deliberadas e que estejam em sintonia com seus Planos de Vida.

Decidir totalmente alheio a emoção é algo muito difícil, mas tenho aprendido alguns truques simples com muitos de meus clientes prósperos. Um dos que eu mais gosto é o de não decidir nada antes de um prazo de 24 horas de intenso pensamento sobre o impacto da decisão à ser tomada. Este simples sistema de “procrastinação proposital” de uma decisão pode lhe tirar de muitas enrascadas.

4) Não acreditam em fórmulas prontas

Ricos entendem o valor do tempo, da disciplina e do trabalho duro como elementos fundamentais de sua prosperidade. Enquanto muitos vão atrás de fórmulas de sucesso e soluções rápidas como “pense e enriqueça”, ricos confiam sua prosperidade à freqüência de suas atitudes positivas, focadas e intencionais.

Ricos pensam diferente dos demais, mas não pensam apenas em enriquecer. Concentram-se em resolver problemas, se aliam com pessoas muitas vezes mais capacitadas do que eles, confiam no longo prazo para obter resultados e são disciplinados para seguir o plano estabelecido.

Ricos não se deixam levar por pressões como escassez e falsas promessas de lucros fartos e imediatos. Confiam em seus instintos, mas educam estes instintos através da paciência e persistência.

5) Não caminham sozinhos

Ricos se apoiam em pessoas para os ajudar no longo caminho para a prosperidade. Reconhecem com legitimidade e tranqüilidade que existem pessoas que podem auxiliá-los e investem nisso. Como já vimos nos pontos 3 e 4, ricos analisam diversas opções e fazem as perguntas difíceis para seus conselheiros, como:

Como é que você ganha dinheiro comigo?

Como saberei se isso é bom para mim ou se é apenas algo que precisa me vender?

Com quantas outras famílias você já caminhou este caminho?

6) Buscam desenvolvimento,  não economizam com crescimento pessoal

As pessoas mais interessantes que conheço, e também as mais ricas, são aquelas que encaram o aprendizado como um estilo de vida e não como uma fase da vida.

É triste o fato de que em nosso país dos anos de 2015 a 2019, perdemos 4,6 milhões de leitores, segundo a pesquisa "Retratos da leitura no Brasil", e que a média de livros, inteiros, lidos é de 4,2 por ano.

Pessoas financeiramente equilibradas não param de investir em si mesmos, seja através de uma boa leitura, de um bom curso ou até mesmo conversando de maneira organizada e freqüente com amigos e mentores.

Ricos estão sempre aprendendo, sempre se atualizando e principalmente compartilhando o que sabem com os demais.

Ricos assumem o risco de serem protagonistas da melhor versão do que podem ser.

Estes são os seis principais erros que ricos não cometem ao longo da vida. Espero que este texto lhe seja útil, lhe desafie a pensar sobre como tem conduzido sua vida e suas finanças.