As queimadas e o sagrado direito de respirar

As queimadas e o sagrado direito de respirar

A sabedoria popular diz que o direito de cada um termina quando começa o direito do outro. Imagina então quando nos referimos ao direito mais básico da existência que é poder respirar um ar de qualidade. Quem está queimando e provocando as nuvens de fumaça que cobrem o Acre em determinados períodos há três meses não está tomando conhecimento dos direitos dos seus semelhantes. Assim o que estamos assistindo é um crime contra a humanidade.

Infelizmente a questão ambiental, como tudo no Brasil, ganhou contornos de ideologia política. A preservação do meio-ambiente está associada à esquerda. Mas isso é uma estupidez enorme. Quando falamos do ar que respiramos e da água que bebemos estamos nos referindo às condições mais básicas para sobrevivermos no planeta. Portanto, manter o meio-ambiente saudável não tem nada a ver com direita ou esquerda, mas com a nossa sobrevivência.

Esse período de queimadas transforma o nosso cotidiano numa bolha de fumaça. Respirando o ar contaminado as pessoas estão sujeitas a contraírem uma infinidade de enfermidades, mesmo sendo de direita ou de esquerda. Essa destruição ambiental afeta a todos indiferente de ideologias.

Agora, uma das principais justificativas dos queimadores é a “cultura" amazônica. Assim o circo de horrores se repete todos os anos e os incendiários continuam ilesos. Enquanto as vitimas dessa bomba atmosférica de fumaça e calor estão nos hospitais sofrendo com as doenças respiratórias. Uma lógica suicida que não tem vencedores e nem vencidos porque todos sofrem os efeitos das queimadas.

Também percebo que não adiantam as campanhas institucionais contra as queimadas buscando despertar a consciência dos depredadores ambientais. Porque mais uma vez eles se justificam com a "questão cultural". Mas fico a pensar que cultura mais estúpida essa que piora a qualidade de vida para milhares de pessoas. Sem falar nos efeitos futuros dessas práticas nefastas para as nossas futuras gerações.

O mais triste é que essa tal “cultura" está realmente entranhada em muita gente. Engana-se quem pensa que as queimadas são provocadas apenas pelos produtores rurais e pecuaristas.

Vejo em Rio Branco muita gente simplesmente queimando o seu lixo doméstico durante esse período numa cidade que tem coleta urbana. Outros que têm terrenos urbanos para fins de especulação imobiliária tacam fogo no mato para não terem que pagar roçadores. E a população vai respirando esse ar cada vez mais contaminado e adoecendo. Principalmente as crianças e os mais velhos.

Na zona rural já existem tantas técnicas para preparar a terra para o plantio sem precisar usar o fogo. Mas essa “cultura” impede muito desses produtores a fazerem investimentos em tecnologias que preservem o meio-ambiente. A ganância para ganhar dinheiro fácil é muito mais forte.

Não sou absolutamente contra o agronegócio e a produção de alimentos. Mas será que não entendem que quando queimam estão acabando com todos os nutrientes da terra? Criando áreas que futuramente serão desertos? Alterando a atmosfera do Acre com tanta fumaça estão interferindo no regime de chuvas? Assim a cada ano a gente assiste as secas se tornando mais severas e com as pessoas sufocadas para respirarem.

Acredito que seja possível e até recomendável que o estado tenha um agronegócio forte para gerar empregos. Mas isso não impede de termos também todos os cuidados com o meio-ambiente para garantirmos a qualidade de vida da nossa população. Na verdade, por mais paradoxal que possa parecer, o agronegócio e o meio-ambiente são complementares. Mesmo porque qualquer iniciativa econômica só tem sentido se a saúde e o bem estar da população estiver em primeiro lugar.