Sem nunca ter tido um voto Mailza se rebela contra o seu benfeitor

Sem nunca ter tido um voto Mailza se rebela contra o seu benfeitor

Para começar esse artigo reflexivo afirmo que tenho todo respeito pela senadora Mailza Gomes como mulher e mãe. Ela sempre me tratou muito bem e com cortesia. Meu objetivo é apenas analisar politicamente a sua conduta.

Em primeiro lugar parece que parte da imprensa acreana se esquece que Mailza não foi a escolhida pelo povo para ser a representante do Acre no Senado. Quem ganhou a eleição foi o Gladson Cameli. A colaboração da Mailza, na época esposa do prefeito de Senador Guiomard James Gomes, foi praticamente inexistente para o resultado das urnas.

Indicada para suplente de Gladson por uma configuração de fatores, Mailza se tornou senadora sem nunca ter tido um voto na vida. O destino a colocou numa Casa considerada a pós graduação para os políticos e parece que ela acreditou ter uma trajetória política compatível para ter votos para tanto, o que na vida real nunca teve.

No entanto, para ser justo, Mailza não foi um desastre no Senado e cumpriu com dignidade o papel que caiu no seu colo. Mas nos quase quatro anos de mandato não se tornou uma política muito conhecida da população do Acre. Prova disso é que nenhuma das pesquisas eleitorais publicadas até agora a colocou com dois dígitos de intenções de votos, como pré-candidata à reeleição.

Quem é a verdadeira vítima?

Gladson para fortalecer Mailza além da cadeira do Senado entregou a ela a presidência do PP, seu partido. Sem falar nos muitos cargos no seu governo indicados por ela. Alguém quer uma prova de confiança maior?

Veio a eleição municipal de 2020 e Mailza apoiou o atual prefeito de Rio Branco, Bocalom. Gladson preferiu apoiar Socorro Neri, mas em nenhum momento criticou os seus correligionários do PP que não o acompanharam na sua decisão. Ao contrário, pediu afastamento do seu partido e democraticamente aceitou o resultado das urnas.

Mas será que foi a popularidade de Mailza que elegeu Bocalom? Quem conhece um pouco a política do Acre sabe a resposta.

Mas estranhamente Mailza tenta impôr seu nome como candidata ao Senado na chapa do governador Gladson Cameli. Mesmo que há pouco tempo tenha havido entre os dois um acordo em que Mailza concorreria à Câmara Federal, como foi amplamente divulgado pela imprensa na ocasião.

Quem traiu esse pacto? Será que em algum momento Gladson fechou as portas para a candidatura de Mailza a deputada federal? Todos sabem que isso não aconteceu. A verdade é que ela não se articulou preferindo manter-se candidata ao Senado, mesmo diante de um quadro que lhe é desfavorável.

O pior é que diante das suas intenções Mailza tem sangrado as pretensões naturais de Gladson para disputar a reeleição. Mesmo levando em conta que o atual governador aparece liderando todas as pesquisas, ela continua criando fatos que colocam o seu benfeitor em situações delicadas.

Essa é a postura correta de uma presidente de um partido que tem o candidato favorito ao governo do Acre? Na realidade o que se observa é que os adversários do Gladson estão "fazendo a festa" com a insistência de Mailza em ser candidata ao Senado e presidente do PP.

Também quero dizer, que na minha opinião, não há nenhum tipo de "violência política" contra Mailza pelo fato de ser mulher. O que existe é um quadro eleitoral que lhe é desfavorável, como tem mostrado as pesquisas de intenções de voto, no caso da disputa majoritária pelo Senado.

Alguns jornalistas dizem que pesquisa é o momento e que não elege ninguém. Eu concordo. Mas diante dos nomes postos para o Senado com várias eleições ganhas no currículo, como Jorge Viana, Alan Rick, Jéssica Sales e Vanda Milani, quais seriam as chances de Mailza reverter esse quadro?

O fato é que com uma cadeira no Senado e a presidência do PP, Mailza poderia ter se articulado melhor. Dizer que foi ela que elegeu todos os prefeitos do PP nas eleições de 2020 é tirar o valor de cada um deles.

Outra coisa, os recursos que Mailza alocou para as prefeituras e o governo do Acre fazem parte natural do seu trabalho como senadora. Ela mandaria pra onde as emendas a que tem direito? Rondônia? Isso não seria possível mesmo que quisesse.

Acho que está na hora da senadora Mailza pensar um pouco sobre as suas atitudes. Será que realmente toda essa confusão interessa à população do Acre?

E, sobretudo, ela precisa refletir sobre a importância da gratidão tanto na vida pessoal quanto política de qualquer ser humano que queira evoluir espiritualmente.