Bittar encomendou pesquisa, mas foi dissuadido a não “espatifar” e pensar nas chapas montadas por partidos sob seu comando

Bittar encomendou pesquisa, mas foi dissuadido a não “espatifar” e pensar nas chapas montadas por partidos sob seu comando

Bom dia! Boa tarde! Boa noite!

A paz e a boa convivência estão longe de existir entre Marcio Bittar e Gladson Cameli, mas a sobrevivência política em determinados momentos fala mais alto. 

Bittar chegou a encomendar uma pesquisa que será entregue no dia 16 pelo instituto contratado. O senador quer saber como fica o cenário com seu nome ao governo.

Mesmo que a aceitação de sua candidatura o coloque entre os principais candidatos, Bittar deverá se manter fora da disputa para fortalecer os partidos de sua base.

A decisão aconteceu após uma conversa de pé de orelha com um dos articuladores que montou as chapas de Republicanos, União Brasil e PL.

O senador foi dissuadido da candidatura com o argumento de que ela poderia afastar os candidatos dos três partidos que ocupam espaços no governo Gladson.

“Senador, o senhor precisa prestar atenção no jogo. Se o senhor sair candidato e romper com o governo, nós não elegeremos estaduais e federais”, disse o articulador.

Mesmo resmungando bastante e colocando que a relação com Gladson foi arranhada, Bittar colocou a viola no saco e recuou. Ainda não teve cachimbo da paz. 

A conta é simples, é melhor eleger um bom números de disputados estaduais e beliscar pelo menos uma cadeira de federal do que espatifar e sair sem nada.

Vale lembrar que o articulador partidário que salvou a lavoura perdeu seus espaços no governo, mas age com a cabeça sem pensar no estômago.

Ele tembém não vive de picuinhas nas redes sociais.