Política é lugar de gente boa

Política é lugar de gente boa

Política é lugar de gente honesta. Mas, também é lugar de sinceridade. O que mais se vê por aí são fariseus, vendilhões do templo e da pátria e falsos moralistas se dizendo vestais da honestidade, arautos da moralidade, palmatórias do mundo e chicotes do povo. Pura falsidade!

De que adianta, por exemplo, se dizer herói contra a corrupção e receber, em apenas um ano, R$ 3,5 milhões por uma consultoria mandrake? Ou fraudar o seu domicílio eleitoral para tentar se eleger por outro estado que não o seu? Cobrar rachadinha de assessores, torrar milhões no cartão corporativo ou decretar sigilo de 100 anos para esconder as suas mutretas? Não adianta, né!?

Digo mais: de que adianta louvar a Deus, mas, ao sair da igreja, não seguir os valores cristãos? De que adianta o seu patriotismo se só o que você faz é dilacerar o patrimônio nacional? De que vale defender a família, mas não perder uma oportunidade de dar aquela puladinha de cerca?

Da mesma forma, de que adianta ser o mais popular do Facebook, o bonitão do Instagram, o lacrador do Twitter ou o dançarino do TikTok se as tuas milhões de curtidas, visualizações e compartilhamentos não te ajudam a defender as suas idéias e ideais e a atingir resultados práticos e concretos com o teu trabalho? Afinal, só vaidade, exibição e exposição da figura pública não ajudam em muita coisa...

A verdade é que ninguém é santo, todo mundo erra e, eventualmente, alguém pode até vir a cometer um ilícito. A diferença não está na conduta de quem faz ou deixa de fazer o que é errado, mas sim, entre a conduta de quem só faz o errado e posa de certinho e a de quem até erra, mas, mantém a hombridade de responder e pagar pelos seus erros e de estar disposto a corrigi-los, para não prosseguir errando.

Melhor mesmo é se assumir falho e errar tentando acertar do que a hipocrisia de muitos que se vê por aí. Chega de mentira, de ódio e de aparências. O que vale é a verdade, o amor e a essência. Porque é disso que a política precisa: de sinceridade e da competência de cabras boas e cabras bons, que dêem conta do recado.

*Daniel Zen é doutorando em Direito (UnB). Mestre em Direito, com concentração na área de Relações Internacionais (UFSC). Professor Assistente-A, Nível 1 (licenciado), do Centro de Ciências Jurídicas e Sociais Aplicadas (CCJSA) da Universidade Federal do Acre (UFAC). Contrabaixista da banda de rock Filomedusa. Colunista do portal de jornalismo colaborativo Mídia Ninja. Deputado Estadual, em segundo mandato, pelo PT/AC. E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..