Sindicato dos Médicos do Acre cobrará da Sesacre melhorias no Huerb

Sindicato dos Médicos do Acre cobrará da Sesacre melhorias no Huerb

O Sindicato dos Médicos do Acre (Sindmed-AC) cobrará da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre) melhorias no Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (Huerb). Na unidade faltam medicamentos, leitos e servidores, resultando em pacientes internados em macas pelos corredores, potencializando o risco de contaminação.

O presidente em exercício do Sindmed-AC, Gilson Lima, verificou ainda a péssima conservação da estrutura predial, agravando ainda mais os riscos para as pessoas que frequentam o local.

Na Sala de Emergência Clínica (SEC) existem apenas dez leitos, mas o total de internados chegava a 25. No setor de Observação, 24 leitos são disponibilizados, mas existiam 40 hospitalizados.

WhatsApp_Image_2022-01-11_at_18.51.14.jpeg

Os pontos de fornecimento de oxigênio não conseguem dar conta da demanda, por isso, os profissionais usam tubos em “Y” para ampliar a demanda, buscando atender uma maior quantidade de pacientes.

“A lista de problemas é enorme e catalogamos todas para debater com a Sesacre. Precisamos amenizar o sofrimento das pessoas, mas, com a realidade vivida, temos o agravamento da saúde de pacientes e dos trabalhadores”, afirmou o presidente do Sindmed-AC.

Na SEC, seriam necessários três médicos para prestar assistência a dez leitos, mas, há relatos de que a escala frequentemente fica desfalcada com apenas dois médicos para atender mais que o dobro de pessoas internadas que superlotam o setor. Na observação, a situação é semelhante, um problema que se reflete na quantidade reduzida, também, de enfermeiros e técnicos de enfermagem obrigados a trabalhar doentes.

WhatsApp_Image_2022-01-11_at_18.51.13.jpeg

“A situação é ainda mais crítica, porque esses trabalhadores possuem contratos precários”, protestou Gilson Lima.

Uma saída para reduzir a superlotação seria o encaminhamento de pacientes para unidades de referência, mas a burocracia excessiva vem emperrando o transporte e consequente tratamento de centenas de cidadãos.

O representante classista ainda constatou que em outros setores a quantidade de servidores é inferior a quantidade necessária para prestar um bom atendimento para a população.

De acordo com o representante dos médicos, caso a Sesacre não apresente resolução, o relatório será enviado ao Ministério Público Estadual (MPE), solicitando abertura de inquérito.

WhatsApp_Image_2022-01-11_at_18.51.12.jpeg