VÍDEO: Tenente da PM é acusado de fechar estabelecimento na Expoacre antes do horário

VÍDEO: Tenente da PM é acusado de fechar estabelecimento na Expoacre antes do horário

Um Tenete da Polícia Militar do Estado do Acre identificado por Tenete Alencar está sendo acusado por suposto abuso de autoridade após ter fechado o Tardezinha BBQ antes do horário previsto neste domingo (31) na Expoacre. De acordo com as regras do parque, os estabelecimentos devem fechar suas portas às 3h.

Um vídeo que foi gravado pelo empresário Neto Brito, dono do Tardezinha, mostra imagens do oficial tirando foto do alvará de funcionamento.

Testemunhas informaram que os policiais chegaram ao local às 2h30, a 30 minutos para o horário definido para o fechamento.

Os PM’s também teriam jogado spray de pimenta no espaço onde estavam as pessoas, informaram testemunhas.

“O governador pediu para que fizéssemos uma Expoacre segura, bem estruturada para tornar uma feira um local familiar evitando qualquer tipo de violência nos estabelecimentos, e assim estamos fazendo desde o primeiro dia de Expoacre. É lamentável que atitudes como está sejam tomadas por aqueles que na prática deveriam cuidar e zelar da sociedade”, disse o empresário Neto Brito.

A reportagem fez contato com a assessoria de comunicação da Polícia militar e eles enviaram a seguinte nota.

A Polícia Militar informa que os bares localizados dentro do parque de exposição possuem alvará de funcionamento até as 3h da manhã e que na noite de domingo, preventivamente, as equipes presentes, a partir das 2h30, reforçaram a comunicação aos gerentes de estabelecimentos quanto a necessidade de efetivo encerramento das atividades comerciais no horário previsto, considerando que as atividades de Policiamento exclusivo da exposição também encerram-se às 3h da manhã.

Informamos ainda que não houve a utilização de spray de pimenta por parte da Polícia Militar dentro do estabelecimento “Tardezinha”, na noite de domingo, 31, e que a corregedoria da PM pode ser procurada por qualquer cidadão que sinta-se lesado em seus direitos.

Ascom/PMAC