No Palácio, governadora em exercício e representantes de instituições alinham ações de combate à covid-19

No Palácio, governadora em exercício e representantes de instituições alinham ações de combate à covid-19

A governadora em exercício, desembargadora Waldirene Cordeiro, reuniu nesta sexta-feira (14) no Palácio Rio Branco representantes da Assembleia Legislativa do Acre, Tribunal de Contas, Ministério Público, OAB/AC e autoridades sanitárias para tratar sobre os casos de covid-19 e a campanha de vacinação no estado.

O Acre registrou 431 novos casos de infecção por coronavírus nesta quinta-feira, 13, segundo a Sesacre. O número de infectados subiu para 89.244 em todo o estado. Já o de óbitos é de 1.854. O aumento de pessoas infectadas preocupa, sobretudo casos graves em pessoas que não tomaram a vacina.

O presidente da Assembleia Legislativa em exercício, deputado Jenilson Leite, que também é médico infectologista, lembra que na primeira onda do vírus o desafio era abrir leitos, porém agora o Estado tem o auxílio da vacina.

“Na primeira onda nossa principal estratégia era abrir leitos. Nós não sabíamos muito como lidar com o vírus. Então a estratégia de governo era abrir leitos para socorrer as pessoas que estavam adoecidas. Só que nós agora temos a vacina, a principal ferramenta de luta contra esse vírus.”

As autoridades concordaram sobre a necessidade de intensificar a vacinação e trabalhar na conscientização das pessoas pelo imunizante.

A apresentação dos dados equivalentes as ações e estratégias utilizadas pelo governo do Acre, para a garantia da manutenção dos serviços públicos de atendimento neste período de pandemia e ainda sobre o avanço de síndromes gripais, foi realizada pela secretária de Estado de Saúde, Paula Mariano, que explicou aos presentes a necessidade de apoio quanto a conscientização da população para a manutenção dos cuidados em saúde e da vacinação contra a Covid-19.

"Mesmo com o aumento da procura por atendimento na porta de entrada das unidades de saúde, em 99% dos casos, não há necessidade de internação e os poucos casos que precisam, são de pessoas que não se vacinaram ou que não estão com o esquema vacinal completo. Através dessas observações podemos constatar a efetividade da vacina e a importância de continuarmos com a imunização", explicou.