Nabiha diz que alunos da escola Alexandre Leitão serão transferidos para outras escolas

Nabiha diz que alunos da escola Alexandre Leitão serão transferidos para outras escolas

Com o fechamento da Escola Infantil Alexandre dos Santos Leitão, que fica no Centro de Rio Branco, a secretária municipal de Educação, Nabiha Bestene, explica que os alunos matriculados não ficarão desassistidos pela administração municipal, e completa que todos os alunos serão transferidos para outras escolas.

O espaço onde hoje funciona a escola será desativado após recomendação do Ministério Público, e os pais e moradores da região, cujos filhos estudam na instituição de ensino, reclamaram ao Notícias da Hora que a secretária estava sendo omissão com a situação da escola.

“As famílias não ficarão desassistidas, pois a Secretaria preocupou-se em garantir as vagas e as matrículas, automaticamente, de todas as crianças na Escola Menino Jesus. Um breve levantamento dos alunos demonstrou que em sua maioria, os alunos não são moradores do centro da cidade, e sim de outros bairros também contemplados por escolas da rede pública municipal”, justifica a secretária.

LEIA MAIS:
Escola Infantil Alexandre Leitão vai fechar as portas e pais reclamam de omissão da Seme

Segundo Bestene, apesar das intervenções feitas no espaço, não há mais o que fazer, uma vez que o prédio é cedido e não pertence ao poder público. “Ao longo dos anos algumas intervenções foram feitas no intuito de dar estrutura a uma melhor funcionalidade, entretanto, os itens essenciais ao funcionamento adequado dentro do que está normatizado não podem ser alcançados”, completa

O morador do bairro Base, Ted Fogueteiro, compartilhou uma mensagem com o grupo de moradores pedindo que eles se movimentem para que a escola não seja fechada, uma vez que funciona há mais de 40 anos e já tem tradição da região do bairro. “Ninguém aceita isso, ninguém entende e aceita. Por isso estou colocando para o grupo, para os moradores. Avisaram apenas que vão fechar, e os alunos e nos não temos culpa de nada”, pontua.